Exames

 "DOENÇA RENAL POLICÍSTICA"

PKD é a doença dos rins policísticos e não tem cura, é letal.

O que percebo que muitas pessoas desconhecem a existência do PKD. O importante é que o comprador de um filhote, sobretudo persa, deve estar também atento a existência de tais exames essenciais, como o exame PKD por DNA.

Todos os criadores de gatos persas devem se preocupar em testar seu plantel para verificar se há ou não gatos PKDs positivos. Caso o exame dê positivo é preciso castrar os portadores da doença.

Todas as raças derivadas ou portadoras de linhagens de sangue do persa, apresentam maior propensão à doença (prevalência estatística). Filhotes destas raças devem apresentar exames de PKD por DNA dos pais do filhote.

O PKD acarreta o surgimento de cistos nos rins, causando disfunção renal e consequentemente à falência renal. Não é uma doença contagiosa, ou seja, não é transmissível, mas sim hereditária.

A única forma de controle da doença é testando os gatos e castrandos os portadores da doença.

O persa é um gato muito sensível por natureza, mas com alguns cuidados é possível ter um companheiro persa por muitos e muitos anos.

Portanto, não compre gatinhos persas sem exames. Exija os exames dos pais do filhote. O Exame PKD por DNA é a única forma de se provar que um gato é negativo para PKD. A ultrassonografia não serve como garantia de negativo para pkd.

Você pode testar seus gatinhos deste laboratórios
Vet DNA -> www.vetdna.com.br

"DOENÇAS FIV E FELV"

​​

Existe o vírus da FIV (Imunodeficiência felina, ou “Aids”) e da FeLV (Leucemia felina). Nenhuma das duas, infelizmente, tem cura.

Como um gato contrai a FIV?
A transmissão da FIV se dá basicamente pelo contato com o sangue, quando um gato é mordido ou arranhado por um gato portador do vírus.

Gatas infectadas também podem transmitir para seus filhotes por via transplacentária ou através da amamentação.
É muito importante saber que a FIV só é transmitida de gato para gato, e não para humanos ou outros animais.

 

Quais os sintomas da FIV? 
Na fase inicial da doença, o gato pode ter febre, aumento dos gânglios linfáticos e aumento da chance de contrair infecções intestinais e cutâneas. Tudo isso pode acontecer num período de 4 a 6 semanas após o contágio.
É importante saber que a FIV pode apresentar uma fase latente, onde o vírus está no organismo, mas o gato não apresenta nenhum sintoma e tem uma vida normal. Isso acontece normalmente com gatos jovens e com um sistema imunológico competente. Apesar disso, mesmo que não se apresente sintomas e o vírus esteja latente, o gato portador ainda é capaz de transmitir a doença a outros gatos. Com o tempo e a idade, gatos infectados tendem a apresentar uma baixa severa da imunidade, e com isso ficam suscetíveis à doenças que podem ser fatais, o que em gatos positivos para FIV, é bastante difícil de controlar.

 

Como um gato contrai a FeLV?
O Vírus da FeLV pode ser transmitido através de saliva, secreções e pelo contato com fezes e urina infectada. Por isso, é comum o contágio entre gatos que compartilham caixinhas de areia ou potes de comida e água.
Os filhotes de gatas infectadas também podem nascer infectados por meio de contaminação transplacentária ou adquirir o vírus durante a amamentação. Cerca de 80% dos filhotes que adquirem o vírus nestas condições morrem na fase fetal ou neonatal, e os que resistem podem manter-se em viremia persistente. A FeLV, assim como a FIV, também só é transmitida de gato pra gato.

 

Quais os sintomas da FeLV?
Assim como a FIV, a FeLV também compromete a imunidade do gato, e por isso pode-se observar diversos sintomas, como perda de peso, anemia, depressão, tumores, dificuldades respiratórias, febre, anorexia, problemas nas gengivas, problemas estomacais e mucosas alteradas na região dos olhos e de órgãos como rins, baço e fígado (que ficam aumentados).
O vírus da FeLV também pode permanecer no organismo por anos sem o gato manifestar nenhum sintoma, mas podendo ser transmitida.

 

Como saber se meu gato tem FIV ou FeLV?
Através do exame de FIV e FeLV, feito em quase todas as clínicas veterinárias.
O mais comum é o do método ELISA, que é feito através de um kit e onde o resultado sai praticamente na hora. É um exame bem simples.
Além dele, existem também outros métodos, como o PCR, onde a amostra de sangue é testada em laboratório, e é um método ainda mais confiável que o ELISA.
Porém, quando se fala em exame de Fiv e FeLV, existem muitas dúvidas. Nenhum teste é 100% seguro, e fatores como problemas durante a coleta do sangue ou a fase em que se encontra a doença no organismo do animal podem alterar o resultado dos exames, e em alguns casos pode-se ter um resultado falso-positivo ou falso-negativo.
Outros fatores também influenciam no resultado do exame, como o tempo desde o contágio e a idade do gato. Inclusive, muitos veterinários afirmam que é preciso esperar até os 6 meses de idade para testar, pois antes disso a chance do resultado dar alterado é bem grande.
Por isso, os veterinários recomendam testar o mesmo gato mais de uma vez. Após o primeiro teste, recomenda-se testá-lo novamente dentro de aproximadamente 3 meses, para que se confirme o resultado.

 

Como é o tratamento da FIV e da FeLV?
Infelizmente, nenhuma das duas tem cura ainda. E são duas das doenças mais temidas por quem tem gato. Basicamente, o tratamento de ambas são focados em aumentar e controlar a imunidade dos gatos, para que não contraiam outras doenças, e também do tratamento dos sintomas.
Na FeLV, em muitos casos é recomendado a transfusão sanguínea e a quimioterapia, que podem ajudar bastante e prolongar a vida do animal. Medicações para aumentar a imunidade e o apetite também são utilizados, assim como uma alimentação de qualidade para mantê-lo forte.


Enfim, essas são basicamente as informações técnicas que você precisa saber sobre a Fiv e a FeLV. 
Realmente, são doenças horríveis e fatais. É  muito importante testar todos os gatos da casa e sempre que for  introduzido um novo gato ao lar, deve se fazer o exame, para se certificar de que também esteja livre da doença.

Gatis conceituados tem exames de fiv e felv dos seus padreadores e matrizes, se for adquirir um filhote, exija esses exames. NÃO COMPRE SEU GATO SEM EXAMES.
Além de fazer os exames, mantenha-o sempre  dentro de casa. Gatos que vão pra rua, além de doenças horríveis, estão sujeitos à acidentes e à maldade humana. 

Dúvidas frequentes: